Rosácea - O que é, sintomas e tratamento para ter uma pele mais bonita e saudável

No nosso diário da pele falaremos da rosácea, uma condição inflamatória caracterizada pela dilatação dos vasos sanguíneos à superfície da pele, provocando vermelhidão e rubor, sobretudo nas maçãs do rosto, testa, queixo e nariz.

 

 

Sendo a nossa pele o maior órgão do corpo e o que tem maior contacto com o exterior, reage a muitos estímulos e reflecte muitas condições internas. Dessa forma, é essencial tratá-la bem e perceber os sinais que esta nos dá.

 

 

 

Esta condição é mais comum em pessoas com:

  • Pele clara e fina, embora possa ocorrer em pessoas com pele morena.
  • Mais frequente nas mulheres entre os 30 e os 50 anos de idade
  • Forte componente genético propenso 

 

 

 

Diferentes autores caracterizam a rosácea em 4 fases/4 tipos. Independentemente da classificação, estas fases ou tipos são bem distinguíveis entre si, mas é comum que se sobreponham:

 

  1. Rosácea eritemato-telangectasia -A pele adquire um tom avermelhado e pequenos vasos (telangectasias) tornam-se evidentes, principalmente na região centro facial, próximo das asas nasais. Pode ser despoletado por várias causas, e, quando uma exacerbação acontece, dá sensação de rubor, calor e por vezes ardor, como se a pele estivesse a queimar. Após o rubor, surgem escamas e pele seca. Este estágio pode também ser denominado por couprose.

 

  1. Rosácea pápula-pustulosa - Neste tipo de rosácea, soma-se ao tom avermelhado o aparecimento de lesões pápulo-pustulosas em surtos, como se fossem espinhas, daí a sua denominação comum de acne rosácea. É muito importante não confundir este tipo de rosácea com acne, que se distingue da rosácea pela ausência de períodos de vermelhidão e pela presença de pontos negros e pele tendencialmente oleosa.

 

  1. Rosácea fimatosa - Este é o tipo menos frequente e corresponde a um estágio muito avançado da doença. A pele torna-se mais espessa, endurecida e avermelhada com poros dilatados. Este tipo é caracterizado pelo aumento e infiltração de áreas como as glândulas sebáceas do nariz e é mais comum em homens a partir 50 anos.

 

  1. Rosácea ocular - Como o nome indica, este tipo atinge a região dos olhos. O sintoma indicativo da doença é uma inflamação (chamada de blefarite) com descamação na área dos cílios.

Imagem adaptada de Azeal Dermatology

 

Os tipos 1 e 2 são os mais comuns e são os que vamos abordar, pois são passíveis de serem atenuados com recurso a dermo-cosméticos adequados. No entanto, não existe cura para doença cutânea, apenas a possibilidade de prevenir ou atenuar os sintomas.

 

 

 

O que deve evitar para prevenir as exacerbações:

 

  • Alternância de ambientes com grandes diferenças de temperatura, ou, pelo menos, evite expor a pele do rosto a temperaturas extremas, principalmente muito frias. Evitar também saunas e banhos turcos!

 

  • Exposição excessiva ao sol, mesmo com protecção solar. O uso de protector solar é imprescindível para qualquer pele exposta ao sol, quanto mais uma pele com rosácea, pois os raios UV dilatam os vasos sanguíneos, tornando-os mais visíveis. Mas deve evitar exposições solares muito prolongadas, pois o calor decorrente desta também tem efeito nos vasos sanguíneos.

 

  • Consumo de bebidas alcoólicas e de certos alimentos, como picantes, especiarias e cafeína;

 

  • Exercício físico intenso ou muito prolongado;

 

  • Produtos cosméticos com álcool (como tónicos), produtos com agentes potencialmente irritantes como o mentol, extracto de eucalipto (eucaliptol), cânfora, hamamélis, fragrâncias, propilenoglicol ou sabões. Produtos que façam espuma também são de evitar, bem como esfoliantes físicos/microdermabrasivos. Os AHA (ácido glicólico, ácido mandélico, ácido láctico, ácido cítrico) são geralmente sensibilizantes, devendo igualmente ser evitados.

 

  • Alguns fármacos orais, como os vasodilatadores, ou amiodarona, corticosteroides tópicos, bem como doses elevadas de vitaminas B6 e B12 podem agravar a rosácea.

 

  • Stress e ansiedade;

 

  • Esfregar ou massajar demasiado a cara. A limpeza deve ser o mais gentil possível, com produtos apropriados ou somente com água tépida.

 

Agora que já sabe o que deve evitar fazer para prevenir o agravamento desta doença inflamatória, leia as recomendações de tratamento aqui.

Deixe a tua opnião, spotter

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados

Shop now

You can use this element to add a quote, content...